you can have me
only if i have you to do what i want with
just if i can kill you if i want to kill you
just if i can harm you if you misbehave yourself

if you fail me
i’ll cut off your legs and post them through the mail
meandering around your house to see you seating
waiting for the postman with a package with your feet

if you miss to
ring me on my birthday as the clock strikes midnight
i will shove a telephone down in your windpipe
so you’ll never need to ever breathe or speak again

if you care for
any other tan of any other man or
if you even dare to look at eyes beside mine
i will pierce your eyeballs with a fierceful needle
shining through the middle of your optic nerve
you’ll blind just to the point when you can still continue
seeing that i’m pretty and i’m pretty maddened
saddened but enraged and with a knife inside my cage
inside my hatred

if they ever
let me get away out of this jailhouse never
will i come here search for you so don’t be clever
and don’t try to change your ways cos i’ll endeavour to
i will endeavour to
and i will kill you

you can have me so. RC

my grave is finally covered up
the earthly worms are curling round my fingers
my flesh gets slowly rotten
and my eyes will dry a lot and then stop seeing
a being
i’m no longer for a cursing pain
has climbed across my bigger vein
and has stopped in there
and my blood grew thick and granulose
my heart went empty and imposed
me a sudden death
in my nursing bed

my son i rarely ever met
has flown in from wherever is he lives in
he brought along his gormless child
that never spoke and never smiled, just sat there
on my chair
and my daughter ran up all the stairs
and held my hand so tight in theirs
that i couldn’t breathe
and my loving wife just loved me less
with every minute she caressed my falling hair
and my dying stare

then they dressed me all in blackened clothes
and stretched my back until it crackled
they closed the lids upon my eyes
and then upon the box where lies my body
even cried a single tear for me
they dumped me on the ground and feared
for my saddened ghost
so i claw upon my coffin walls
of velvet as my body falls in a pit of stone
in a muted moan

so reclined in shape so selfless
i defy my oath of silence
for the one time
that once you curse my wretched name
you’ll know that still i loved you all the same. RC

thx jared for this

Amedeo Modigliani, Reclining Nude, 1919.

[PEEP SHOW : series four, episode three]

Paul Klee, Castle and Sun, 1928.

i bet someone is playing the bus game about you
and what would they say?


My name is Christopher John Francis Boone. I know all the countries of the world and their capital cities and every prime number up to 7,507.

Nome: The Curious Incident of the Dog in the Night-Time
Autor: Mark Haddon
Formato: 272 páginas
Dimensões (em centímetros): 1,8 x 17,7 x 11,1
Data de publicação: 2004
Assuntos relacionados: Síndrome de Asperger, Família, Sonhos.
Descrição: I find people confusing.
Tipos de letra: ?
Dedicatória: This book is dedicated to Sos // With thanks to Kathryn Heyman, Clare Alexander, Kate Shaw and Dave Cohen

release the stars : rufus wainwright

why do you keep all your stars in from your studio on melrose avenue? / you have locked all your assets up in lifelong contracts to you / didn't you know that old hollywood is over? / oh can't you see all the good that celebrity can do for those in the dark? / yes, of course, i'm speaking in metaphors for something more in your heart / didn't you know that old hollywood is over? // so why don't just release the gates and let them all come out? / remember that without them there would be no paramount / no paramount need to hold on to what isn't yours / release the stars // the more that you fight / then the more they will scrutinize and realize just your size / and believe me / you are no match / for the public that has seen the whites of your eyes / didn't you know that old hollywood is over? / old hollywood is over // so why don't just release the gates and let them all come out? / remember that without them there would be no paramount / no paramount need to hold on to what isn't yours / release the stars / release the stars / release your love / release the stars / release your love / cos hollywood is over / why do you keep all your stars in from your studio on melrose avenue?

i will never discuss lyrics with you ever again

ROTH, Philip - The Dying Animal. London : Vintage, 2007. €10,37

e quem sou eu para te dizer que não?

i am not the kind to fall in love without good reason
till then i see you shapeless, full of light, full of promises of trees, till then, uncontrollable persistence of idea
that the wind that stopped blowed takes me to you, living impossible outside of me, that i forget to weight and let myself go
you, the convergence of greatness, and the day the sun died to respectfully leave you space
if i could write i'd have written i love you instead of all this
and then you arrive oh primitive confusion of me and rend me pose and turn me equilibrium and strength and confirm me you oh endless beauty
reshape your eyes and gleam throughout the nightly dark
it rends me imprisoned just the thought of your arms
today i left my home to go and stroll and i ended on your street, and all the water i walked over
i love you instead of all this
you should know, you have some years now of envious mirrors
i very much like the way you communicate but i didn't understand yet
don't know your voice, but it must sound like a piano tumbling down stairs, street lamps bowing to the falling rain
and that you told me how bad it left me
you are veins entangled with mine, war beneath the skin
sometimes you hide your eyes of saving people out of shadows
bad weather lives at my place instead of you
i'm writing this in the dark as the idea of you kidnaps me and bursts my eyes
do you know my arms are a complication of knots
i should point out that he made me do this : but i am in no way a maker of poetry for angels undeserving. RC

Paul Klee, Flotilla, 1925.

Uma das coisas que fica bem fazer em dias de revolução é descobrir séries de televisão, e descobri-las com tanta força que se vêem logo todos os seis episódios da primeira série duma vez.
Fist of Fun é Stewart Lee e Richard Herring. E bocadinhos de Peter Baynham. Começou na rádio em 1993 e saltou para a BBCtwo em 1995.
E bom. Bom, bom, bom, meu deus como isto é bom.
Um dos sketches recorrentes é aquele em que Simon Quinlank (Kevin Eldon) vem sugerir um hobby ao povo.
Veja-se o primeiro. RC

Georg Wenzeslaus von Knobelsdorff, Sanssouci, 1745-1747.
Sanssouci é o palácio de verão que Frederick, the Great (1714-86) encomendou para quando queria abalar de Berlim,
- So what it represents is my personal hell, but like a good hell, where you're gonna go and do lots of drugs and hang out with hookers and stuff. So that's what it is, Sanssouci : without worries. Without care, actually. RW

sanssouci : rufus wainwright

who will be at sanssouci tonight? / the boys that made me lose the blues and then my eyesight / all together, playing games of cards / gambling the tiny shards of brass, once my heart // who will be at sanssouci tonight? / i'm lookin' through the window from the garden / waiting for the call to my hotel room / i'm tired of writing elegies to boredom / i just want to be at sanssouci tonight // who will be at sanssouci tonight? / surely not the one that loves me truly, only / he's probably down at the stables, there / gently polishing my cabriolet, only // i don't care, i really want to go / so i'm opening the door wide to the ballroom / callin' up some dude from my hotel room / i'm tired of writing elegies in general / i just want to be at sanssouci tonight / tonight / tonight // the candles seem to all have been blown out / cupid's wings have cobweb rings and no one's about / could it be i came to the wrong place? / but i swear i saw them climb the stairs, that sweet master race // who will be at sanssouci tonight? / it's only when you're outside that you notice / only through the window you can see them / once the door is open, all will vanish / ain't nobody at sanssouci tonight / tonight / tonight

vi os teus olhos durante um pássaro lento
que atravessou o céu e desapareceu atrás
da montanha.

olhando as nuvens, compreendi que eras
meu amigo durante árvores a crescerem
nos campos.

dentro do meu olhar, na terra fresca, havia
rochas que existiam desde o início da nossa


amigo, não tenho perguntas para fazer-te. quantas
pessoas entendem aquilo que não entendo? quem
descobriu o segredo mais inútil?

amigo, não tenho perguntas para fazer-te. basta-me
olhar. passaram anos, poderiam ter passado mais
anos ainda. poderiam passar séculos.

entendo o teu rosto. isso basta-me quando te vejo.
para mim, serás sempre o príncipe , a criança que
me mostrou as árvores.

o tempo não passou, amigo. agora, ao chegares,
olho para ti. o teu rosto é igual. agora, ao chegares,
sei que nunca partiste.


quando os instantes da manhã se acumulam nas
paredes da casa, eu rasgo as páginas onde te escrevo,
porque sei que tudo será desnecessário, tudo será
frágil. quando imagino o sol que não sei se poderei ver,
esqueço as paredes e,

com tanta força,

quero que sejas feliz.

PEIXOTO, José Luís - A Casa, a Escuridão. Lisboa : Temas e Debates, 2002.)

i thought i was going to write one of my trademark endlessly long texts, but i don't think i need one to tell you this / : / i'm leaving for paris / (or equivalent europe, it's not certain yet) / next year. / this just feels right now. / tomorrow i don't know if it'll still feel right. / i'm not sure of much. / i'm leaving for paris / because this here is too small. / releasing the stars / here / is seeing them bumping back to me. / (and you laughed just now) // (oh and completely unrelated, i haven't told you yet, but on september 15th you're gonna be here cos i'll be needing you) // so here it goes / : / i'm / inviting / you / to / come / along / to / paris. // before you say anything, just close your eyes, picture yourself somewhere else, / and sincerely / answer with your full heart. / i'm asking you from mine. / ; / and whatever you say, just smile while saying it : it may help. :), r (full stop)

Não lerem. RC
ou então pagarem-me o voo boa?)

o quê? : foste ver o rufus ontem? : tem piada porque se não estivesses a falar disso desde sexta-feira eu nem sequer me tinha lembrado : talvez se te fosses lixar : passei o dia todo a odiar-te baixinho : eu aqui e tu aí e quem é que aí também? : o rufus : que nervos : seja como for eu disse-te que te divertisses e tu pelos vistos foste e fizeste o que eu te disse : já sei que foste ver o rufus ontem não te queres calar com isso? : credo : o que era bem era ter sido eu a ir ver o rufus e tu seres quem se estava agora a enervar : não achas que era bem? : e eu agora começava assim : olha jovem fui eu que fui ver o rufus e foi ontem que o fui ver : não é assim tão giro, pois não? : não faço ideia até que ponto ou com que força consegues ficar feliz por mim : como eu fico contigo : por ti : quase só : então como é que estava o padrinho? : trs : sabes que o rufus para nós é uma espécie de anjo : daqueles anjos que juntam pessoas : que nos deixam recados para irmos ter não sei onde não sei a que horas : e da última vez contrariei-me e fui e quem é que lá estavas? : tu meu calhar indescritível : é demais se eu te chamar ponto de fuga? : se calhar é demais eu chamar-te ponto de fuga : já no outro dia te disse que tenho uma série de coisas a anunciar mas depois meteu-se isto do rufus pelo meio : e eu achei que era melhor deixar-te ir e vir e só depois é que te dizia que te vou virar a vida do avesso : a tua irmã está diferente : o quê? : vês, eu sabia que não te devia ter falado já disto : agora não te vais calar até eu dizer o que se passa : a questão é que tu perguntas bem : lembras-te do que disse o rufus ontem? : claro que te lembras porque estavas lá já sei disso já te calavas : disse : ou melhor, mandou : que fôssemos e nos fizéssemos a pessoa total que conseguíssemos ser : que libertássemos as estrelas : as minhas se as soltar vão até ti : é isso eu estou para te dizer : as estrelas de um de nós vão ter de se mudar : raios : as pessoas dizem que eu ando chato e agora já estou a ver porquê : sempre a falar no mesmo : então como é que foi o rufus ontem? : RC

let the tour begin

tomei agora um comprimido por tua causa : não, não te ponhas com merdas : que mal é que havia de fazer? : toda a gente toma comprimidos : e na maior parte das vezes é por pessoas como tu : por isso eu fui e tomei o meu comprimido por causa de ti : e agora pronto, três ou quatro abanões depois, eis-me sorrir : nem me lembrava que sabia ainda como isto se faz : estou a escrever-te e estou a sorrir : trs : é ou não é inacreditável? : e isto tudo foi uma pastilhazinha que fez : é impressionante : eu nem estou em mim : mas isso também porque é o que sorrir é : arregaçar a boca e deixar-me sair devagarinho : sem pressas : para antes de voltar ter tempo de me perder nos teus olhos : emaranhar-me no teu cabelo : ler-te pela pele : é impressionante este comprimido e sabes porquê? : porque de repente nem suporto escrever estas parvoíces : sempre policopiadas sempre a mesma necessidade urgente da tua beleza : do teu toque : sempre a mesma militância estúpida sempre o tempo todo : tenho frio : será do comprimido? : deve ser do comprimido : sabes de que é que eu me lembrei agora? : lembrei-me de que há afinal uma divina inteligência em que eu me tenha aqui e tu te tenhas aí : sim, eu sei, que isto assim me desmonta e me desfaz : eu sei isso tudo : e não há segundo que não o saiba : sempre : contínuo crescente de dor e sempre : mas eu aposto tudo o que tenho : a força toda que me sobra : que o dia em que eu chegar aí é o dia um dos dias do fim : em que começo rigoroso a sufocar-te : meticuloso : parede que te levanto à volta : obrigatoriedade permanente de ti : e tu claro mandas-me à merda : não estás para isso como é óbvio : e acabas-me : trs : raios o sacana do comprimido : e raios tu : RC

tulsa : rufus wainwright

you taste of potato chips in the morning / your face has the marlon brando club calling / and who would've thought that i'd owe it all to tulsa? / and that fat guy with the green shirt that we both signed together / who once he hears this song won't live it down forever // your suit was the whitest thing since you know who / i fear that that saviour i have mentioned may be you / and who would've that i'd owe it all to tulsa? / and that poor girl who waited in the rain for hours to meet me / (not you, baby) / who once she hears this song won't live it down completely // and i owe it all to tulsa, oklahoma / this is just a reminder / of the antique shop that i want to go back to and visit when it's open / in tulsa, oklahoma / just in case you don't appreciate this song about you / .

- Acho que ainda não te disse mas às vezes sinto que toda a vida nos conhecemos, que crescemos juntos e assim, e que depois foste e te mudaste para aí para os quintos de muito longe.
- Se calhar fomos amigos numa outra vida anterior.
- Se tivessemos sido amigos numa outra vida eu não tinha demorado vinte anos a encontrar-te.
- Se calhar tinhas : se calhar fomos amigos até aos vinte anos e depois eu morri ou assim : e agora estamos a recuperar o tempo roubado.
- Esse é provavelmente o mais doce e impressionantemente fofo disparate que eu já alguma vez ouvi. RC+j

[PEEP SHOW : series four, episode two]

lembras-te de quando falámos de sonhos? : e lembras-te do que eu te disse a seguir? : disse que nós somos a brigada dos sonhos : espevitadores de estrelas morrentes : atiçadores de ensombradas avenidas : de árvores : pois temos trabalho a fazer nessa tua estrela : que tanto brilha de gasolina como a seguir empalidece e se fecha de escuro : e espero que não te importes mas eu vou tomar conta eu mesmo deste assunto : a tua estrela rege a minha e duas sombras são impossíveis : são os teus olhos agora : não suporto os teus olhos em nuvem : porque já sabes, encobres-te um bocadinho e basta para que eu chova : blá blá blá : já toda a gente sabe isto : credo já nos estamos a tornar rotina e ainda nem sequer te segurei nas mãos : com que então não tens como te pôr lá? : ó que caramba : eu diria mesmo ó que caralho porque daqui não sei o que te faça : como eu queria saber ajudar-te : bufar-te o nevoeiro de cima : mas não sei como : é de dinheiro que precisas? : é de faltar ao trabalho? : é de alguém que vá contigo? : eu vou contigo : eu deixo a minha vida toda aqui e em chegando aí logo compro outra : pois não, não posso : mas se fechar os olhos já posso : olha para mim : não vejo nada : mas vejo a nossa história de esperar : interminável adiamento de ti : vejo-me sentado, a aquecer entre as mãos a tua estrela : olha : como ela brilha crescente : fui eu que a fiz brilhar : de olhos fechados fui eu que a fiz brilhar : olha : e vejo-te : ao meu lado : RC

HADDON, Mark - The Curious Incident of the Dog in the Night-Time. London : Vintage, 2004. €10,62

don't worry

sinto-me tão mal : é que por um lado estou tão feliz por ti : não podia estar mais feliz por ti : só tu com uma estrela a olhar por ti é que ganhas coisas dessas : mas não sei se esta distância toda me deixa estar tão feliz por ti como devia : é que raios te partam mais a sorte que tu tens : dez pessoas ali com o rufus a tocar para elas e, claro, porque não havias de ser tu uma delas? : consigo ver-te radiante daqui : quando tu brilhas os olhos multiplicam-se-me de forças e cruzam o mar todo e toda a terra e vêem-te a luz que espalhas : e tanto que chegam a acender-me os cantos da boca e os meios dos olhos : às vezes chego a pensar que estás feliz por mim : para o meu bem : depois apercebo-me do atravessamento que essa ideia é e começo a desligar a minha luminosidade emprestada : e disfarço-me cinzento pelas pedras da rua e pelos sítios de se levantarem prédios : não consigo estar tão feliz por ti como devia : se calhar hoje é um daqueles dias em que a tua luz não me consegue encontrar : às tantas é um daqueles dias em que me escuso de brilhar : o mais certo é ser um daqueles dias em que te amo com mais força e por isso te sinto mais longe : e o brilho dos olhos se troca em água : e os nomes das coisas em que tropeço deixam de fazer sentido e o mundo muda de cores para mais triste : eu juro que queria estar mais feliz por ti : mas estou aqui : e não consigo mais que isto : leva contigo ao concerto alguém que goste do rufus tanto como eu : RC

don't worry j you'll be
you are

tenho-te uma inveja de te saberes orientar nesse tipo de questões : havia de ser comigo : um dia que me ponham fora de casa vão ser uma quantidade de dias só para eu me encontrar naquela parte do meio do jornal : nunca fui gajo de dar atenção a gente que me quer vender coisas : por isso um dia em que me apanhe na rua vai ser bonito : mas tu safas-te neste tipo de brincadeiras : o pó que eu às vezes te tenho : levas-me só um mês de avanço : e dois dias : e no entanto não há uma semana em que eu fale contigo que não estejas no meio de algum tipo de atrapalhação : é o que eu digo : és uma pessoa que resolve : e a impressão que isso me mete : às vezes também queria ser uma pessoa crescida : um dia que acorde e me tenha feito crescido as coisas que eu não vou fazer : olha, vou morar contigo : trs : tem piada porque nunca vai acontecer : nós nos quintos um do outro até funcionamos muito bem, agora que penso nisso : não há um dia que eu não fale contigo : caraças não há um dia que eu não fale contigo : olha que isso não me acontece com muita gente : e até dizer que acontece com pouca gente é uma hipérbole que não sei se me apetece arriscar : mas a culpa é tua : não me desses corda : é que ainda por cima, ó insuportável, dizes-me sempre coisas que me põem num desconcerto : fazes frases mais ou menos como aqueles cães pequeninos olham para as pessoas : e eu apesar de não gostar de cães gosto de ti : e pronto, desfaço-me todo : não sei se já reparaste mas não há dia que eu, atravessado ou não, não me faça ao piso de alguma maneira : e tu tudo bem : sabes o que é que era valente? : e que era sem dúvida nenhuma a definitiva desbroncagem? : o fazer-me ao piso mesmo ali como deve ser? : era eu pôr-me aí : era : só que para abalar num desatino desses tem-se de ser uma pessoa crescida : e longe de ti não sou : RC

- É desta que ganhamos o euromilhões. Pus um número ao calhas no sudoku e não deu fiasco. Com este piço e com os números que o moço me deu estamos num autocarro chamado sorte a caminho de Vila Nova de Chiça Tanto Dinheiro Que Nós Temos. RC

oh meu deus
patrick wolf
apesar de achares que a cara dele é blherg
(o que eu não acho, deve dizer-se)
mas não faz mal porque depois gostas de gajos que não são obviamente giros
(o que quer dizer que eu ainda tenho uma chance afinal)
(não reajas a isto)
como estava a dizer : o patrick wolf DÁ UM SACANA DUM ESPECTÁCULO
oh meu deus
patrick wolf
ele pega num catano num violino
ou segura um piano nas mãos
e pronto liga o modo de derreter povo
a escorregar pela cadeira eu estava
encantado eu estava
e o cabelo dele não está afinal tão mau quanto isso
antes de mais há que dizer que RAIOS o teatro estava cheio de gente gira
pronto como eu então
(se te riste agora eu mato-te)
(se te riste AGORA tudo bem)
e todos eles a irem ao concerto sozinhos
vês o que faz o patrick?
uma maioria de gente gira num teatro
e depois eu
(vês, a auto-espatifação contradiz a piada anterior)
(em qual delas estou a usar de verdade?)
seja como for vou obrigar-te a ouvir as músicas que ele tocou porque
a), não te faz mal nenhum, e
b), posso até converter-te a saint patrick


(ps amo-te eu porque me tratas tão indiferentemente?)

David Hockney, Volante, 1982.

ok : diz-me uma cor para eu vestir : estou quase a ter de sair para me pôr no concerto e não faço ideia o que vestir : como assim que concerto? : disse-te pelo menos duas vezes : tu por acaso ligas alguma coisa ao que eu digo? : aquele rapaz cuja cara achas blherg e que está com um cabelo ainda mais desastre que o teu : exactamente, esse : tenho de me pôr no ir e o que levo vestido é de facto uma pergunta bastante jeitosa : o que levo vestido? : diz uma cor : verde? : olha não estava nada à espera : talvez se te fosses lixar : ok, seja verde então : por acaso até nem foi mal dito : por acaso até estiveste bem, vês? : passou por mim agora um rapaz que tu ias achar giro : ora que caraças, porque te conheço : eu digo-te, se aqueles números que me deste para o euromilhões forem alguma coisa de jeito eu pego na letra daquela música e raios me partam se não faço igual : ainda não fiz outra coisa o dia todo : desde que ouvi o cd contigo pela primeira vez ainda não fiz outra : andei aos berros o sacana do dia todo : o que eu gritei : a culpa não é minha, a culpa é dele que se passou a escrever as músicas e as pôs todas no andar de cima : e não me lixes que quando te apanhares sem ninguém em casa vais fazer igual : vais berrar berrar berrar e vais te pôr aos berros : é por isso que eu gosto de ti : pronto, vou levar esta camisola verde : que achas? : olha deixa-me tentar uma coisa : dá-me o teu número de telefone : como assim agora não tens telefone? : a falar a sério, como é que tu vives? : eu não sei o que te faça : é que nos meus anos eu vou para onde se está bem e assim sem telefone como é que eu te apanho? : tu complicas-me tudo : apareceste tu e desarrumaste-me tudo : e desorganizas-me o sono : e a circularidade das lágrimas : o que te vale é que eu por ti tudo : tudo : por acaso estou mesmo giro com esta coisa verde posta : RC

isto agora vai ser assim durante uns dias

slideshow : rufus wainwright

do i love you because you treat me so indiferently? / or is it the medication? / or is it me? / do i love you because you don't want me to rub your back? / or is it the medication? / or is it you? / is it true? // and i better be prominently featured in your next slideshow / cos i paid a lot of money to get you over here, you know? / and if i am not prominently featured in your next slideshow / i don't know what i'm gonna do // do i love you or is this feeling just a little pain? / a treasure chest is broken / easily / open and usually i am such a happy prince / behind the iron curtain, yeah / the city walls / summon prison // and i better be prominently featured in your next slideshow / cos i paid a lot of money to get you over here, you know? / and if i am not prominently featured in your next slideshow / i don't know what i'm gonna do // do i love you? / do i love you? / yes i do / do i love you? / yes i do / do i love you? / yes i do / do i love you? / yes i do

see you later patrick

Sometimes, they asked, people refer to sexual intercourse as doing sex, having sex, making love and going all the way. Some of Liebow's most insightful find
(hmm fin hmm findings)
on the relationship of these men towards work rely on health and lay-offs. A 35-year-old man who washes dishes is a failure, in his own eyes and those of society. Hoje é o Dia Mundial de Sabermos Todos um Bocadinho de ICS. RC

- Did you hear that Release the Stars leaked?
- Didn't I tell you it would?
- Have you listened to it? I can't find it : help me find it :)
- Did you find it yet? I can't find it : grrr : i want to hear it right now.
- Anything yet?
- Nope. You?
- I just suck at this waiting-game.
- Yeah.

(...) Já o tenho. Ainda não o ouvi. RC

[Update : 10:38 : já o estivemos a ouvir : ó meu deus :)]

[london countdown]

Lucian Freud, Wasteground with houses, Paddington, 1970-72.

[desrespeitar número um]

se houvesse cadeiras de ficar sentado : cadeiras no sentido académico atenção, porque as outras são todas de ficar sentado : eu provavelmente era ainda mais intelectualmente atadinho do que já sou : trs : no outro dia disseste que eu soava ser esperto : e em estrangeiro, vê tu bem : o quão esperto não devo eu ser na língua em que nasci : mas houvesse cadeiras de estar à espera e eu era concerteza muito estúpido : como no outro dia disseste tu que eras : o que vale é que eu não te ligo nenhuma : já estou a imaginar : chegava o senhor professor mais bem vestido do que é costume : deixava-se à frente e ficava ali : a olhar para nós : era dia de exame : e ele não se mexia : não dizia nada : nós sentados : e passado alguns minutos ele começava, e dizia qualquer coisa nesta onda : bom dia, hoje como devem saber é dia de prova : e eu pelo menos sabia : e quem veio às aulas todas safa-se na boa porque eu fartei-me de explicar como ia ser : e eu não vim às aulas todas mas caramba : vamos então começar? : e voltava a calar-se : ninguém tinha nada em cima das mesas : toda a gente olhava vazia para a frente : quinze minutos depois alguém se levanta e sai, e o professor : pronto, o primeiro já foi : estava visivelmente satisfeito porque era menos um para avaliar : antes de se voltar a calar ainda disse : eu sempre avisei que isto não era fácil : há pessoas que nunca aprendem a esperar : e calou-se : lembro-me que tu não estavas lá : porque se estivesses eu não me tinha levantado e saído : RC

Estou a escrever isto no escuro. Não vejo a minha mão nem os gestos que desenho. Não consigo ver o que escrevo, nem como fica a letra provavelmente toda encavalitada uma na outra. A única coisa que sei é que tenho papel e caneta e que vai ser a última vez que te escrevo. Pelo menos por uns tempos. Tenho de começar a esquecer-te. Não me fizeste mal nenhum, e é por isso mesmo que te preciso longe da cabeça. Tanto quanto me estás longe das mãos, é assim que te preciso ideia. Não vai ser fácil esquecer-te. Eu sei que não vai. Vai doer e remoer e retalhar-me todo. Mas dorido e remoído e retalhado já eu estou, porque aos dias em que me fazes sol seguem-se os dias em que me desfaço nuvem. Entendo-te longe como de facto estás. E desisto. Não suspeito que faças ideia de como tenho andado. Não sei se te conto porque é parvo demais. Mas sempre te contei tudo. Chega-me estar sozinho um minuto. Às vezes nem isso. E a ideia de ti sequestra-me e rebenta-me os olhos. Agora que penso nisso não tenho feito outra coisa nestes últimos dias. É certo que me tenho apanhado várias vezes sozinho. Já ninguém me pode ouvir com desdobramentos de ti. Já ninguém suporta a monotonia utópica de te querer. Já ninguém me atura. Mas dado que ninguém me pode ajudar na desdeificação de ti, é só natural que me caiba resolvê-lo sozinho. E necessariamente sem ti. Sem ti. Às tantas não é um esticão assim tão grande. Basta continuar sem ti. Já estive a pensar como é que vou fazer isto e tive uma ideia ou outra. O nada que tenho nas mãos afundo-o nos bolsos. Depois é só desentulhar a cabeça de ti e andar por aí vazio por dentro dos olhos. Será assim tão difícil? Às vezes dói-me tanto o corpo que preciso de te ir ver. Às vezes acho que só assim. E no dia em que eu não couber mais neste sítio escuro em que fechei, e tiver mesmo de te respirar, vou chegar aí ainda não é manhã, vou esperar que amanheças, e depois toco-te, olho-te, e em correndo tudo bem na minha cara está escrito que preciso de ti, que fiz meio mundo por tua causa, porque tu és toda a outra metade. Vês? É por este tipo de coisas que eu não te posso escrever. Soubesse eu escrever e tinha escrito amo-te em vez disto tudo. Amo-te em vez disto tudo.


Gustav Klimt, Tod und Leben [Morte e Vida], 1916.

porque é que eu sinto que toda a vida te conheci, e que me enervas impressionante de te teres mudado para isso aí onde vives? : é que ainda por cima foste para os quintos de muito longe : não é propriamente um sítio a que se chegue de comboio : ou é, está bem, mas não sem um avião ou uma espécie de barco antes : agora sempre que eu quero matar saudades o que é que faço? : não faço nada : porque se há coisa que ícaro provou é que em termos de voar os pássaros e os aviões basicamente cobrem todas as possibilidades : e para eu me pôr aí é preciso deixar de tomar um bocadinho mais do que um café : por isso não é coisa que eu possa fazer todos os dias : nem sequer todos os meses : nem sequer alguma vez que seja : e mesmo sabendo isso tudo pegaste nas coisas todas que tens graças ao dinheiro todo que deves e abalaste com uma qualidade que eu nem soube o que te dizer : a ti, que crescemos juntos : conheci-te eras deste tamanho : eu também era : ainda me lembro de ti, anjo por fazer : sempre com a camisola dos dinossauros : e os ténis dos dinossauros : e a mochila dos dinossauros : raios que eras um bocadinho chato com a mania dos dinossauros : não conheço mais ninguém que tenha um dinossauro favorito para além de ti : conhecemo-nos como todos os putos com o tamanho que nós tínhamos : precisávamos de aprender a ler e fomos aprender a ler para o mesmo sítio : e aprendemos contas também : um mais um éramos nós : vês? : crescemos a gostar das mesmas coisas : fizemo-nos grandes a gostar da mesma maneira : e eu não quero estar aqui a exagerar mas eu não me atiro assim tão para fora de pé se disser que és o que o tudo quer ser quando for grande : e depois um dia acordo e vais a caminho daí : hoje fui encarar o mar : e pensei que se fosse sempre em frente : sempre : e se depois, pela obrigatoriedade circular das coisas, continuasse sempre sempre a descer : havia de chegar à altura em que eu estava aqui e tu estavas ali : como quando vivias cá e crescíamos juntos e eu te amava sem saber : RC

the decemberists : cocoon

this cocoon, caught in vesuvius' shadow / only the ashes remain / and i waited there for you / why couldn't you? / here we lie waiting for something to startle / to shake us from gravity's pull / and so sleeping hours are through / what can we do? // the sorry conclusion, the low dirty war, it happened before you came to / but this is solution, and this is amends / the joke always tends to come true // and there on your windowsill over the unmoving platoon / written in paperback, the view to the quarterback's room / under waning moon // this quiet serves only to hide you / provide you / what i knew / what i knew / it'd come back to you // take this palm, follow the lines here are written / tracing the veins and the shapes / and feel your fingers falling slack and all folding back // the tainted election, the hole in the sky / command what is tried, what is true / without solution, with feet on the ground / it won't make a sound 'til you're through / so loosen your shoulderblades / this is your hour to make due / 'cause there on the timberline / deep cold november shines through / soft and absolute // this quiet serves only to hide you / provide you / what i knew / what i knew / it'd come back to you

é isso : a minha cabeça tem de dar uma volta tão grande para chegar a ti que às vezes ao vir embora vem por sítios que não lembram ao catano : ainda agora estava a pensar : e olha lá se isto não é estúpido : estava a pensar qual era o verbo mais cruel : claro que vem a propósito de ti : a minha cabeça não pode ir ver-te e depois vir a pensar noutras coisas : eu nunca disse que ter-te centro e arredores da cabeça era fácil : claro que não é : não só é lixado de fazer como, por eu tratar disso com uma valente dose de profissionalismo, é coisa para me demorar a parte do dia a que se chama dia : mas não era disso que estávamos a falar : íamos discutir verbos que fazem doer : e eu tenho para mim : provavelmente vamos discordar nisto, já discordámos no outro dia e não foi bonito : quase me odiaste e eu quase desisti de ti : depois curámo-nos : mas voltando aos verbos : eu hoje estou estruturalmente miserável : às tantas a minha cabeça ainda não chegou de te ter ido ver : eu tenho para mim que o verbo mais cruel é o verbo adiar : o que é uma maçada visto que somos os dois muito bons a deixar-nos para amanhã : tu adias-te que é uma categoria : e eu, para além de me adiar também muito bem, ainda estou sempre à espera que amanhã sejas tu a vir visitar-me para variar : e enquanto isso não acontece, adio-me por ti : para ti : gosto de ti adiado por isso sou-me adiado : o que me custa não fazes ideia : mas admira-me que não me sintas a doer mesmo longe que estás : RC

[PEEP SHOW : series four, episode one]

já te disse várias vezes que não gosto desse gajo : não disfarces, sabes muito bem quem : esse outro sujeito irritante : essa espécie de coisa : esse olha nem sei : nem sei coisas más que cheguem para dizer dele : e o problema é que ele anda muito por aí : eu sei, eu sei que ele mora aí : mesmo assim : não gosto : o raio do gajo parece uma bola de espelhos caraças : dá-me dores de cabeça só de pensar que ele anda por aí todo flutuações e que te pode tocar e eu não posso : oh foda-se agora vou ficar o dia todo a pensar nisto : ai que nervos que eu lhe tenho : que impressão que ele me mete : e esse argolame todo agrafado por todo o lado : é que para além de ser o tipo de pessoa para o qual eu não tenho paciência nenhuma, ainda por cima vive perto de ti : vai aos teus anos : cortas-lhe o cabelo : oh que merda eu estou a falar a sério : isto dá cabo de mim : o quê? : eu sei que nunca falámos dele : mas ele anda aí sempre enfiado em casa e faz-me espécie : ou ciúmes, chama-lhe o que quiseres : eu estava a tentar evitar essa palavra porque não me dá jeito passar à segunda fase de gostar de ti : é que até a cara dele me revolta : parece de plástico o sacana do filho da mãe : mas de plástico mau, como os contentores e as batatas fritas : tu sabes que eu só estou a estardalhar desta maneira porque tu não me podes ouvir : mas estivesse eu aí e a primeira coisa que fazia era acertar-lhe uma lampastrona nas trombas : não : primeiro ia ter contigo : era a terceira fase de gostar de ti : RC

por ti


just smile
try that for me
go outside look at the sky
it's black
possibly raining
then go stand in the rain
throw one arm in the air and dance around like no one is watching
do the rain dance
trust me
it makes you feel amazing
laugh at yourself
go dance in the rain damnit!
let the rain wash the tears you cry down your face
realize this world isn't as big as you think it is
for all you know someone else could be standing out in the rain dancing with one arm in the air
next time i talk to you i want to hear about your rain dance
and i don't want it to be some fictional story
you do realize it will be hard for me to stop bothering you, don't you?
i don't want you to stop bothering me
i never said to stop bothering me
not that you bother me
but i don't want you to stop talking to me
i need you too
don't just leave it like that
we'll talk again
whether you like it or not
have fun in the rain
for me

Pieter Brueghel, o Velho, Caçadores na Neve, 1565.

rufus wainwright : going to a town (music video)

i'm going to a town
trli trli trli ti ti

[Publico aqui na íntegra a imperativa crónica que Lobo Antunes escreveu no hospital, no mês passado, e que a VISÃO publicou ontem. Contigo. Sempre.]

Crónica do hospital

Para a Rita e para o Henrique Bicha Castelo, que mereciam mais que este texto,
com o amor e a gratidão do António

Não quero aqui ninguém. Quero ficar sozinho a medir isto, a minha doença, a minha mortalidade, o meu espanto. Por mais que repetisse
- Um dia destes
não acreditava que o dia destes chegasse. E agora, Março de 2007, veio com a brutalidade de uma explosão no peito. Não imaginava que fosse assim, tão doloroso e, ao mesmo tempo, tão pouco digno como a velhice e a decadência. Tão reles. O olhar de pena dos outros, palavras de esperança em que não têm fé, dúzias de histórias de criaturas que passaram por isso que tu tens agora e estão óptimas. Recuperando aos poucos da anestesia vou dando-me conta de que um bicho horrível em mim, ratando, ratando. Dois sentimentos opostos
- Vou lutar, não vou lutar
e o primeiro fala antes do outro
- Chamem o Henrique
um grande cirurgião, um colega de curso, um amigo, uma das muito poucas pessoas a quem entregaria sem hesitações o meu corpo. Este texto talvez vá um pouco desconexo, desculpem, ainda estou fraco, a cabeça tem lacunas, falta-me vocabulário, há mais de nove dias que não pegava numa caneta e é difícil reaprender a andar. O meu medo que o Henrique não pudesse. Mas disse a quem lhe fala
- Eu vou já lá abaixo
e enquanto me faziam uma TAC vi-o atrás do vidro, sério, a apertar a boca. Depois veio ter comigo
- Opero-te amanhã de manhã
e queria que soubesses, Henrique, a esperança que as tuas palavras me trouxeram. Não só esperança: o que não sei dizer. Ou antes sei mas tenho vergonha. Contento-me em pensar que tu sabes também. Sei que sabes. Basta a maneira de protestares, de mão contrariada´
- Não me agradeças, não me agradeças
basta o teu afecto pragmático diante das minhas perguntas
- Uma coisa de cada vez
o modo como me disseste
- Eu trato-te
como diante da minha aflição, aflição sim senhor, deixemo-nos de tretas
- E se houver metástases no fígado?
- Eu tiro-as
e eu tentando pôr-me no teu lugar pensando como deve ser penoso operar um amigo. Um amigo desde os dezoito anos. Em como deve ser penoso, em como deve ter sido penoso para o Henrique trabalhar com uma carga afectiva em cima dele, naquelas circunstâncias. Mexeu-me todo: tirou a vesícula, tirou o apêndice, até as glândulas seminais andou a ver. Isto há dez dias, onze dias. Escrevo do hospital onde estou, é a primeira vez que uma pessegada destas me sucede. Magro, magro. Com uma algália ainda: é uma sorte que uma algália ainda, tive mil trezentos e seis tubos a saírem de mim. Espero que na revista entendam a caligrafia tremida da crónica. Suceda o que suceder, uma coisa tenho por certa: isto alterou, de cabo a rabo, a minha vida. Ignoro em que sentido, ignoro como. Sei que alterou. Santa Maria. O que farei daqui para a frente, se existir daqui para a frente? Livros, claro, foi para isso que me mandaram para o meio de vós. Quando isto sucedeu lutava com um, tinha outro pronto, já antigo, pronto há um ano e tal, para Outubro. Para dar tempo aos tradutores de o traduzirem e saírem mais ou menos na mesma altura que em Portugal. Esse livro tem a melhor prosa que fiz até hoje, parece recitado por um anjo. Aquele em que trabalhava é apenas um embrião, cerca de metade do primeiro esboço, falta-lhe quase tudo. A partir de agora, se calhar, falta-lhe tudo. Voltarei a ele? Uma coisa de cada vez, não é Henrique? Vamos a ver. De uma forma ou outra a gente luta sempre. Momentos de quase esperança, momentos de desânimo. Não: momentos de muito desânimo e momentos de desânimo maior, como se me obrigassem a escolher entre o que não vale nada e o que vale ainda menos. Este mês deram-me um prémio literário. Estão sempre a dar-me prémios e claro que tenho prazer nisso, não sou mentiroso nem hipócrita. Toda a gente foi muito simpática.
e sem que eles sonhassem
(sonhava eu)
o cancro ratando, ratando, injusto, teimoso, cego. Mói e mata. Mata. Mata. Mata. Mata. Levou-me tantas das pessoas que mais queria. E eu, já agora, quero-me? Sim. Não. Sim. Não - sim. Por enquanto meço o meu espanto, à medida que nas árvores da cerca uns pardais fazem ninho. A primavera mal começou e eles, truca, ninho. Obrigado, Senhor, por haver futuro para alguém.

Eu via-os todos ao mesmo tempo para níveis extra de demência.
PEEP SHOW Series 4 começa hoje. RC

eu não te quero perguntar o que andaste tu a fazer mas o que andaste tu a fazer ó demente? : não, eu sei que não é nada comigo : pronto, eu não disse nada : vamos falar de outra coisa qualquer : ai não falas? : ai dói-te a garganta? : não quero saber, não é nada comigo : eu não te estou a chatear, só estou a tentar enfiar-te algum juízo na cabeça : estou farto que te doam coisas e que digas que não podes fazer nada : encolhes os ombros como se as dores escorregassem mas tenta lá falar : pois dói, não dói? : ouve, eu não quero saber o que andaste tu a fazer : mas quero que te ponhas melhor : apanhar-te doente é coisa para me partir todo : principalmente porque se tu não podes fazer nada então eu não posso fazer um nada maior : sabes uma coisa? : às vezes enerva-me volumes o poder que tens sobre mim : é isso, tem-te silêncio e deixa-me falar : a maneira como andas são fios atados a mim : e tanto é isso que tens-te bem e eu sou luz e tens-te mal e eu sou nuvens : és veias que se misturaram com as minhas : e pronto, sabes como é que funcionam as veias : trazem uma quantidade de sangue mau mas é por uma boa causa : ok, se calhar a imagética do veiame não foi grande coisa : mas vamos vê-la pelo outro lado : estás-me debaixo da pele : vês, por aqui já dá : eu até te dizia que me eras artérias mas não soa tão bem : digo só que és-me : agora vai-te tratar ó demente : quando estiveres bem eu pergunto-te o que andaste tu a fazer : RC

James Ensor, A Entrada de Cristo em Bruxelas, 1889.

gig #1


sabes uma coisa? : és a pessoa que eu conheço que mais dorme : estou-te a dizer : não sei que vida levas tu que metade dela estás a dormir : depois não te apanho em lado nenhum : pois não apanho : se me distraio um bocadinho lá estás tu já a dormir : e depois passa um dia que não falo contigo : como hoje : e começa a doer-me não sei onde : supostamente nos sítios onde costumam doer estas coisas : na cabeça : nos ossos : na resignação dos olhos vazios : na garganta de nó : atrás do nariz : pela cara abaixo : nos cantos da boca : no queixo : e depois na roupa deixa de doer : cai e cura e volta aos olhos outra vez : e enquanto isto tudo : enquanto eu me faço e refaço ciclo da água : eternamente chovendo e eternamente voltando a chover : o que fazes tu sacana? : dormes : encolhes-te de dobradiças e ficas a desfragmentar : o brilho que espalhaste regressa-te aos olhos : a voz acalma-te : por acaso nunca te imaginei a dormir : mas és paz : só podes ser : és paz enquanto dormes por seres guerra durante o resto : ferves-me no corpo : és guerra e das antigas : daquelas de matar as pessoas à mão : daquelas de tocares em mim e florescerem dores : daquelas de nunca se esquecerem : é por isso que dormes toda a vida? : se calhar é : ah desculpa : acordei-te com isto? : RC

Paul Cézanne, Les Grandes Baigneuses [As Grandes Banhistas], 1900-05.

por aquilo do ícaro : odeio como tão belissimamente escolhes as tuas palavras : ensinas-me? JB

eu não sei o que te fazer : eu juro que não sei o que fazer contigo : ah espera desculpa : a preposição com não nos serve : deixa-me arranjar outra : posso dizer que não sei o que fazer a ti : ok isto já dá : não sei o que fazer a ti : sei que para já que te tenho naquele bocado da cabeça que se chama cabeça : onde estavam as grandes ideias e os grandes projectos : onde os sonhos se multiplicavam de manias : onde não cabia o que me procuravam os pés : agora estás tu : não sei se tu graspas a imensidão do que eu estou a dizer : fecha os olhos : descansa eu vou demorar pouco tempo : até porque tens os olhos fechados e o mundo precisa de luz : já os voltas a abrir outra vez : fecha os olhos : agora imagina-me ideia pronta : é isso : uma cidade maior que eu : uma casa feita de livros : um sorriso por dia : sim é isso : e agora tudo o resto que eu queria troca-se por ti : trs : pela grandeza de ti : por dois sorrisos por dia : por sóis levantes : por poços de água sem fim : por uma razão das coisas : trs : aquilo que me disseste nem sabes o que bem me fez : senti-te que me passavas as mãos pelo cabelo : e aquilo que me disseste nem sabes o que mal me fez : as mãos e o cabelo : sentir-te é um erro que faço : contínuo : e querer sentir-te é um erro que adio : RC

i'll never be as cute as you / according to the board of human relations / i'll never fly as high as you / according to borad of public citations / these are just the rules and regulations / of the birds and the bees / the earth and the trees / not to mention the gods (...)
why do you keep all your stars in from your studio on melrose avenue? / you have lost all your assets on in lifelong contracts to you / didn't you know that old hollywood is over? // oh can't you see all the good that celebrity can do for those in the dark? / yes of course i'm speaking in metaphors for something more (...)

click here

não sei o que fazer : sabes muito bem que eu não consigo competir com isso : não há maneira de eu estar aí a ocupar o meu bocado de chão : e por isso valho o mesmo que uma respiração de fumo que logo deixa de valer : nada : mas um nada que incomoda : que se prende à roupa : que ao fim do dia ainda lá está descolado de nomes ou lugares : um nada que chateia : é : sou eu : não te rias : tens de parar com isso de te rires sempre fora do sítio : porque vês agora eu estou a sorrir e não devia : porque estou em baixo : trs ora pensa nisto : eu estou em baixo porque estou longe de ti : certo? : o que pela lógica inerente das coisas significa que tu és um sítio no céu : a nuvem nove : o último ar onde ícaro tocou : trs : a quantas pessoas já destruíste a vida tu? : talvez não destruir : talvez estragar : como um puzzle : não fica destruído mas demora um tempinho a pôr direito de volta : oh claro que estragaste não venhas com isso : faz parte de ti : é uma coisa boa : é o que significa verdadeiramente ser : estragaste sim : olha eu : RC

Georges Grosz, O Funeral do Poeta Oskar Panizza, 1917-8.

J Ok : espera aí : antes de mais nada : ovo : vegetal ou não?
R Não (pausa) um ovo é uma ave.
M Nem um nem outro.
J É um vegetal.
R Não não é.
J O que é?
R Ave.
J Eu estou tão certo.
E Ainda bem que temos isto filmado, tu a dizeres que um ovo é um vegetal.
J E é, e eu continuo a dizer que é.
E Não (pausa) não (pausa) vamos telefonar à S., vamos perguntar à S. o que é um ovo. (pausa) S., o que é um ovo? É um ovo um vegetal? Espera, vou pôr-te em alta voz.
J Eu tenho de perguntar uma coisa à S.
E Ok. (pausa) É um ovo um vegetal?
J S.
S Não, um ovo é um pássaro.
J O quê?! Eu estou tão certo. S., estás enganada.
S Não não estou.
J S.!
S É uma galinha bebé.
J Não,
E Eu adoro a S.
J seria uma galinha bebé se tivesse nascido, se fosse um ovo fertilizado seria uma galinha bebé, S., está toda a gente a dizer mal.
S Se tiveres um bebé no teu corpo que nunca tenha sido fertilizado então é um vegetal?
E Ehpá eu adoro mesmo a S.!
J Não, porque não terias um bebé no teu corpo se não tivesse sido fertilizado!, porque tem de se meter um pénis numa vagina para isso acontecer!
E O teu sémen é um vegetal?
J Não, o meu sémen é uma proteína.

Vincent van Gogh, The Prison's Courtyard [O Pátio da Prisão], 1890.

Estrangeiro What?, sorry I’m not from around, I don’t know what’s happening.
Jornalista Uó?, hmmm, it’s a revolucion.
Estrangeiro Oh, a revolution, is it? Nice,
is this usual?
Jornalista U-ói?
Estrangeiro Does this happen a lot?
Jornalista Nó, not rili,
tank you.
Estrangeiro Oh, you’re welcome, mate,
hasn’t your friend fallen down back there?
Jornalista Uó?
(pausa, percebe:)
ó Professor,
(falando para as pessoas)
cuidado, o Professor caiu, toda a gente vamos a ter cuidado : há um homem importante no chão, por favor gente não o pisem que o homem tem um curso, cuidado—- RC

Professor E isto dá que pensar se um golpe de estado chega a contar se não houver pelo menos um porta-voz ou chefe de qualquer coisa que se chegue à frente e tenha cara de mau.
Jornalista Cara de mau?
Professor Sim, mas uma cara de mau simpática, percebe?, como se nos dissesse
- Nós somos melhores que os que os outros que cá estavam antes, ok?, mas não me obrigues a partir-te um bracinho para chegares a essa conclusão. RC

és impressionante : agora perguntas-me o que acho do teu cabelo : logo tu que tens a capacidade de enlouquecer quando se trata do teu cabelo : e enquanto na maior parte das vezes enlouqueces da boa maneira : desta vez chiça que acidente : o que raio foste tu fazer ó demente? : a meio de uma conversa dizes-me que cortaste o cabelo : a propósito de nada : é nisto que nos estamos a tornar? : e hoje perguntas-me se gosto : produzes uma fotografia e queres saber : então gostas do meu cabelo? : e eu ó demente que foste tu fazer? : eu já estava à espera de uma coisa assim pela tua descrição de tu : e já estava a contar que não te ficasse bem : e confirma-se : digo-te vagamente que não gosto : dizes que ouves volumes de coisas boas pelo cabelo como o tens : então eu sou o maluco lá atrás que diz tudo ao contrário? : pergunto eu : e dizes tu de cara atada : sinto falta do meu cabelo : trs és impressionante : e dizes tu : estava a olhar para fotos de dias bons de cabelo e falta-me : trs és impressionante : mas ouves volumes de elogios trs mas sentes-lhe falta : dizes-me : tu não gostas : e depois atas a cara e sentes-lhe falta : agora perguntas-me o que acho do teu cabelo? : RC

trs : não é preciso explicares-me que eu sei muito bem o que se está a passar : estou a apegar-me demasiado a ti : eu sei que estou não te preocupes que não é nada que eu não saiba : estou a precisar de ti sempre : e ao problema do costume : aquele de as pessoas não terem o sempre para mim : acresce-se ainda o problema de nem sempre nem de vez em quando : trs : e no entanto repara como eu estou aqui que estou completamente atadinho de braços e pernas neste desatino de nós que és tu : nós os das cordas neste contexto atenção : porque nós os outros : nós as pessoas de nós : apesar de reportar também à categoria psiquiátrica do desatino é uma atrapalhação diferente : lá está é uma atrapalhação : porque não chega a ser nossa mas toda de mim : só de mim : só de eu estar a apegar-me demasiado a ti : de eu ir já levando os meus livros para os cantos de ti : de ir já respirando só por ti : por através de neste contexto atenção : porque por o outro : por por causa de : apesar de a verificar-se vir confirmar a categoria psiquiátrica do desatino : não se verifica ainda : trs : por isso não precisas de me explicar que tenho de te largar : trs : tenho de te deixar ir : é isso não é? : pois é : trs : mas sabes os meus braços? : procurei-os e estão uma complicação de nós : nós os das cordas atenção : e complicação de nós as pessoas de nós : RC

Pieter Brueghel, o Jovem*, O Massacre dos Inocentes, c. 1610.

*Está mais ou menos estabelecido que foi o pai, Pieter Brueghel, o Velho, que fez a composição deste quadro, que o filho depois pintou
- Ó pedro o teu trabalho de casa está bem feito mas eu não me parece que tenhas sido tu a fazê-lo. RC

voa para cá : disseste-me tu : e vamos os dois ao concerto : disseste-me tu sobre um concerto que ainda não há : vês? : é como nós : ainda não há : mas em havendo vamos os dois : trs : és impossivelmente superior : RC

First Day of My Life (from I'm Wide Awake, It's Morning),
realizado pelo übergenial John Cameron Mitchell.

do you realize?? : the flaming lips

do you realize - that you have the most beautiful face / do you realize - we're floating in space / do you realize - that happiness makes you cry / do you realize - that everyone you know someday will die / and instead of saying all of your goodbyes - let them know / you realize that life goes fast / it's hard to make the good things last / you realize the sun doesn't go down / it's just an illusion caused by the world spinning round // do you realize - oh - oh - oh / do you realize - that everyone you know / someday will die // and instead of saying all of your goodbyes, let them know / you realize that life goes fast / it's hard to make the good things last / you realize the sun doesn't go down / it's just an illusion caused by the world spinning round // do you realize - that you have the most beautiful face / do you realize??

Paul Klee, Bewegte Landschaft mit Kugelbäumen [Paisagem em movimento com árvores redondas], 1920.

mas então ainda não foi desta que te assustei? : eu muito honestamente não te percebo : estive aqui a contar pelos dedos e durante o tempo que te conheço : e que convenhamos não é assim muito : já calhou de eu me ter descosido todo pelo menos uma mão e meia de vezes : e de cada vez que me desbronco é sempre em acrescentos de qualidade : e de atrofio deixa-me acrescentar : não vamos esquecer que desta última vez foi em francês : a língua dos emparvoados : e até foi com erros e tudo : e se me perguntas de que estava eu à espera eu vou ter de dizer que estava à espera de que nunca mais me falasses : a sério : como à sede devagarinho se matam plantas : (chiça são sete menos dez da manhã e nem a esta hora me deixo do metaforame de merda) : mas não : dizes-me meia dúzia de nadas como toda a gente no café : e segues a tua vida : sugerindo que sim : que me hás ainda de falar outra vez : como se tivesses atrás dos olhos um sistema elaborado de anti-desbroncagem : como eu acho aliás que vem de série para as pessoas como tu : porque se não o tivesses não conseguias fazer vida : não é? : ias comprar coisas e davam-te tudo de borla : atropelavam-se velhas para te deixar passar : matavam-se colheitas para nunca te chover : ehpá tanta coisa : e com este sistema o que te acontece é que respeitosamente fechas os olhos e segues : mas perguntas-me se acho que vai mudar alguma coisa : e eu digo que sim : completamente : vais ter-te mais distante durante uns tempos : mas distante sempre tu estiveste : não são mais uns palmos que me vão doer mais : RC

Oscar Wilde foi preso no dia vinte e seis de abril de mil oitocentos e noventa e cinco por gross indecency and shameful acts towards men, (e não no dia seis como diz o P2 de hoje).

Dear Bosie - After long and fruitless waiting I have determined to write to you myself, as much for your sake as for mine, as I would not like to think that I had passed through two long years of imprisionment without ever having received a single line from you, or any news or message even, except such as gave me pain.
Our ill-fated and most lamentable friendship has ended in ruin and public infamy for me, yet the memory of our ancient affection is often with me, and the thought that loathing, bitterness and contempt should ever take that place in my heart once held by love is sad to me (...)
WILDE, Oscar - De Profundis, The Ballad of Reading Gaol & Other Writings. Hertfordshire : Wordsworth, 1999. €3,56

Easy/Lucky/Free (from Digital Ash in a Digital Urn)

oh wayne coyne ainda bem que perguntas : portanto o que é que eu faria com todo o meu poder : é isso? : olha que é uma pergunta lixada : mas o que me assusta mais é que a resposta me é óbvia : naturalmente aprendia a voar : e deixava de estar aqui : como assim o que é que eu quero dizer? : não sabes o que é significa voar? : significa levantar a cabeça do chão : trepar pelas nuvens acima : gravitar o sol : ehpá esse tipo de coisas não vou estar agora com estas pseudo-imagens poéticas de merda que ainda nem sequer almocei : mas mais do que isso é ir à procura de onde estamos : quando estamos longe demais : porque o problema wayne não sei se já te disse é esse : é a lonjura : ou então depende do tipo de poder de que estás a falar : eu podia fazer com que o mundo desabasse e podia coser as nossas duas pontas de mar? : sim isso era coisa para estragar a vida de alguma gente : mas quem tinha o poder era eu por isso quero lá saber : ou então pode ser o poder de o tempo não nos ser imbecil? : é que se acertássemos os dois o relógio pelo meu corpo havíamos de viver à mesma hora : ou se calhar a capacidade de pagar dívidas : esse era iminentemente mais prático e resolvia-me logo uma série de problemas : como assim quais problemas? : oh wayne tu por acaso estás a seguir a história? RC

i know that now that's why i'm staying here there

make a plan to love me : bright eyes

i heard you're scheming new pyramids / another big idea to get you rich / make a plan to love me sometime soon // you said you had your foot in the door / you buy and you sell, you buy some more / make a plan to love me sometime soon // Life is too short / death doesn't ask / it don't owe you that // some things you lose / you don't get back / so just know what you have // and make a plan to love me sometime soon // first you want to ride off into the sun / then you want to shoot straight to the moon / make a plan to love me sometime soon // when you are young the world is a ferris wheel / i know we will grow old it is lovely, still / make a plan to love me sometime soon // life is too short / to be a fool / i don't owe you that // do what you feel / whatever is cool / but I just have to ask will you make a plan to love me? / will you make a plan to love me? / will you make a plan to love me sometime soon?

ok confesso que esta já foi só para chatear a gera : mas calha de ser verdade também : e aquilo da gera era eu a falar à bairro

ah e adenda hoje afinal já existe digamos que eu agora funciono nos seguintes termos : 21:33 : eu não saí de casa hoje. agora pelos vistos vou ser arrastado para o churrasco da faup. e agora vou trabalhar e só devo chegar a casa depois das 22. depois é comer e cama.

Olha lá, tu agora não escreves sobre mais nada? Está a começar a ficar um bocadinho parvo. Estamos só a avisar.

Adenda : resposta à pergunta que deve estar na cabeça de toda a gente
mas completamente : parvo à força toda : mas que quereis? : dá-me para escrever todos os dias : isso não é coisa que se desperdice : ou é? : ah é? : ah então desculpem lá
mas não posso fazer nada. RC)

hoje saí de casa para ir andar a pé e dei por mim na tua rua : pois foi um valente esticão eu sei que foi : e a água toda que eu andei : saí no minuto em que se pôs manhã e tu foste dormir : fechei a porta azul : virei-lhe costas : e comecei a andar sem saber por onde : de repente os meus pés quiseram-te : os pés e o resto de mim começou a doer de estares longe : insónias das tuas horas trocadas : olhos de beber café : e a minha cara toda à espera sempre de que venhas : para a arrumar em novas lógicas de sorrir : e de deixar entrar luz : um dia desenhava alguém a tinta da china : deixou cair uma pinga errática : e nasceu um olho dos teus : não preto : mas brilho : cores todas do mundo : azul : sem fundo : e o erro tornou-se projecto acabado : desenho intocável : brilho : eu fecho a cara à procura de ti para lá das circularidades da terra : o mundo enrola-se e engole-se e encurva-se e põe-te do outro lado : na tua rua onde cheguei um dia depois : era manhã : dormias : sentei-me no passeio à porta desta loja : à espera que passasses por mim : e me levantasses do chão : que me abrisses de vez : pousei a cabeça nos joelhos : senti-te então halo a passar : passaste : pois é : não contavas comigo nem com a cara de mim : não é nada que uses todos os dias : como usas a porta de casa que abres e fechas : a porta azul : continuo sentado aqui à soleira desta loja : à espera que passes outra vez : permaneço espera : e tu permaneces tu : RC

E que só se pode dia 10 pois claro que sim. RC

pronto : perguntei-te se confiavas em mim : se sabias que podias confiar em mim : e disseste que sim : que completamente : e não custou assim tanto pois não? : vês? : aos bocadinhos vamos fazendo isto como as pessoas normais : apesar de haver convenhamos uma considerável dose de parvoeira no meio disto tudo : vamos começando a repetir as pessoas dos livros : falei-te outra vez dos teus olhos : vês? : não estou a fazer nada que não tenha sido já feito antes : e tu renega-los : vês aí está uma coisa que eu não entendo : viras a cara aos teus olhos e viras a cara aos espelhos : vês não entendo : disse-te que os espelhos nunca te devolviam total : porque ficavam sempre com um bocado de ti para eles : disseste que não : e disseste-o insuperável : disseste que não : que os espelhos te reflectem depressa : e perdi-me de tal maneira na tua maneira de palavras que pouco te disse que é mentira : pouco te mandei que te calasses : assumamos : que sabes tu de espelhos? : perguntaste-me de volta : e quem sabe? : raios te partam tu : polifonia de cones e bastonetes : olho-tu : pessoa-olho : pessoa-estrela-cadente : disse-te velado o que me eras : e velado pediste-me tempo : e de cara aberta to dou : beleza-tu : e amo-te o que me vais deixando : e todos os dias mais : velado-eu : pessoa-estrela-caínte : pessoa-caída : eu : RC

low grade happiness : rufus wainwright

i pray for the power to stay in love with you / i pray for the power to stay in love, like you're supposed to be able to / and you may be the cause of this / yes, you may be the cause of this low grade happiness / thus, you must behave when you're faced with the way i operate / be brave when i'm facing away from you, and i don't want to cooperate / cos i may be the cause of this / yes, i may be the cause of this low grade happiness / you're a sweet, unlikely savior of a human falling star / yes, you are // it didn't work out, but at least we gave it a shot // you're a sweet, unlikely savior / yes, you are

[ora cliquem lá no rapaz cliquem]

És insuperavelmente impressionante todos os dias mais. RC

tu tens noção da quantidade de calhares que somos nós? nós somos um senhor que por acaso se chama calhar e que acontece escolher de entre vinte e sete hipóteses possíveis o caminho certo para um sítio aleatoriamente também chamado calhar onde lhe dizem que pense num número sem lhe darem números entre os quais escolher e que por uma coincidência do catano escolhe o número imediatamente ao lado do número que ia dizer e que em consequência disso acaba por acertar numa probabilidade residual que somos nós. nós somos uma quantidade de calhares. RC

the tower of learning : rufus wainwright

i'm looking for the tower of learning, / i'm looking for the copious prize / i saw it in your eyes, what i'm looking for / i saw it in your eyes, what i'm looking for // i really do fear that i'm dying, / i really do fear that i'm dead / i saw it in your eyes, what i'm looking for / i saw it in your eyes, what will make me live // all the sights of paris, pale inside your iris / tip the eiffel tower with one glance, / stained glass cathedrals with one glint / you smashed it with your eyes, what i'm looking for / one blink, and then my heart wasn't there no more // i'm looking for the tower of learning, / i'm looking for the copious prize

Depois da terceira série, PEEP SHOW foi cancelado porque as audiências eram fraquinhas. O que sucede é que o programa não era. Ganhou alguns prémios, alguma gente credível andou por aí a gritar a sua defesa, e sem ninguém esperar, TUMBA!, começa-se a preparar uma quarta série, que estreia dia 13. Entretanto, e para ninguém se queixar por antecipação, foi encomendada já uma quinta série antes da quarta sequer ter estreado. De maneiras que alegria. Este clip é, presume-se, do primeiro episódio da quarta série. No último episódio da terceira o Mark e a Sophie (estes moços precisamente) casaram out of embarassment. Yeah it does make sense. RC

sim : gosto da ideia : vamos a isso : RC

- E se eu te mandasse um cheque grandalhão (que não tenho, não te preocupes) e te dissesse para vires ter (quer dizer, 'ires', mas para ti é vir) a Paris?
- Estava lá num segundo.
- Sabes : de cada vez acho mais que os nossos caminhos se vão encontrar algures. Ehpá : toda a gente precisa de alguém a quem se agarrar : mesmo para recomeçar tudo. E de certa maneira acho que a minha estrela se segura algures por cima de ti. Não ligues.
- Ohhh : isso é fofo.
- Eu sinto-te como um espelho, mas um que gosta de mim em vez de um que lhe chega reflectir-me como sou
- Ohhh : eu adoro a tua maneira de palavras.
- E olha que não são só cambalhotas de estilo : são verdade. RC



The many faces of robert webb.
Isso do ricardinho acabou.

(Rufus Wainwright | Rules and Regulations
> from Release the Stars)

A ler Frost de Thomas Bernhard e ouvir e a ver coisas que se fôssemos aqui a pô-las todas havíamos de chegar atrasados a sítios onde temos horas para chegar.



O que se disse em


Creative Commons License
Os textos publicados neste blog, devidamente assinalados com a firma RC, estão licenciados sob uma Licença Creative Commons.

Powered by Blogger